quinta-feira, 14 de dezembro de 2017


O historiador e o poeta não se distinguem um do outro pelo fato de o primeiro escrever em prosa e o segundo em verso. Diferem entre si, porque um escreveu o que aconteceu e o outro o que poderia ter acontecido.

Aristóteles

Hino ao crítico

Da paixão de um cocheiro e de uma lavadeira
Tagarela, nasceu um rebento raquítico.
Filho não é bagulho, não se atira na lixeira.
A mãe chorou e o batizou: crítico.

O pai, recordando sua progenitura,
Vivia a contestar os maternais direitos.
Com tais boas maneiras e tal compostura
Defendia o menino do pendor à sarjeta.

Assim como o vigia cantava a cozinheira,
A mãe cantava, a lavar calça e calção.
Dela o garoto herdou o cheiro de sujeira
E a arte de penetrar fácil e sem sabão.

Quando cresceu, do tamanho de um bastão,
Sardas na cara como um prato de cogumelos,
Lançaram-no, com um leve golpe de joelho,
À rua, para tornar-se um cidadão.

Será preciso muito para ele sair da fralda?
Um pedaço de pano, calças e um embornal.
Com o nariz grácil como um vintém por lauda
Ele cheirou o céu afável do jornal.

E em certa propriedade um certo magnata
Ouviu uma batida suavíssima na aldrava,
E logo o crítico, da teta das palavras
Ordenhou as calças, o pão e uma gravata.

Já vestido e calçado, é fácil fazer pouco
Dos jogos rebuscados dos jovens que pesquisam,
E pensar: quanto a estes, ao menos, é preciso
Mordiscar-lhes de leve os tornozelos loucos.

Mas se se infiltra na rede jornalística
Algo sobre a grandeza de Puchkin ou Dante,
Parece que apodrece ante a nossa vista
Um enorme lacaio, balofo e bajulante.

Quando, por fim, no jubileu do centenário,
Acordares em meio ao fumo funerário,
Verás brilhar na cigarreira-souvenir o
Seu nome em caixa alta, mais alvo do que um lírio.

Escritores, há muitos. Juntem um milhar.
E ergamos em Nice um asilo para os críticos.
Vocês pensam que é mole viver a enxaguar
A nossa roupa branca nos artigos?

Vladimir Maiakóvski

Frase

Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino.

Leonardo da Vinci

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017


"Você procura por alguém que cuide de você quando está doente, que não reclame em trocar aquele churrasco dos amigos pelo aniversário da sua avó, que jogue “imagem e ação” e se divirta como uma criança, que sorria de felicidade quando te olha, mesmo quando está de short, camiseta e chinelo."


Meu receio era de que, por impaciência com a lentidão que tenho em me compreender, eu estivesse apressando antes da hora um sentido.[...]Cada vez acho tudo uma questão de paciência, de amor criando paciência, de paciência criando amor.[...]Esta paciência eu tive: a de suportar, sem nem ao menos o consolo de uma promessa de realização, o grande incômodo da desordem. Mas também é verdade que a ordem constrange.


Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. 

Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Charge



Humor

A velha não tinha amigo não tinha nada e resolve se suicidar. Ela ligou para o médico e pediu a posição exata do coração e o medico falou, que era a dois dedos abaixo do seio esquerdo. No dia seguinte a manchete da velha apareceu nos jornais:
– Velha tenta suicídio, com tiro no joelho!


5 autores adorados por Gabriel García Márquez

A lista de admiradores de Gabriel García Márquez ao redor do mundo é imensa e passa por nomes como Luis Fernando Verissimo, Isabel Allende, Gilberto Gil e até Barack Obama. Seu prestígio e importância são inquestionáveis, mas você já parou para pensar quem são os ídolos desse grande escritor? 
 
Listamos 5 dos autores por quem Gabo nutria grande respeito e adoração:

1. William Faulkner
 
Nobel de Literatura de 1949, Faulkner foi entusiasta da técnica do Fluxo de Consciência, presente em muitas das obras de Gabriel García Márquez. Luz em agosto (1932) foi uma das obras de Faulkner que marcou a trajetória do colombiano: “(...) comecei a fumar, à minha maneira de então, acendendo um na beata do outro, enquanto relia Luz em agosto, de William Faulkner, que era então o mais fiel dos meus demônios tutelares.”. Em sua autobiografia, Gabo deixa clara sua obsessão pelo trabalho do escritor norte-americano, fundamental para sua formação.

2. Ernest Hemingway
 
Autor de obras como Morte à tarde (1932), As verdes colinas da África (1935), Por quem os sinos dobram (1940) e O velho e o mar (1952), Hemingway foi Nobel de Literatura em 1954. O americano foi modelo de técnica e disciplina na escrita para García Márquez. Ele mesmo explica que “Faulkner é um escritor que teve grande influência em meu espírito, mas é Hemingway a quem mais devo em termos de estilo – não só por seus livros mas por seu assombroso conhecimento do domínio artesanal que se requer no exercício da escrita.”. Segundo Gabo, Hemingway o ensinou lições como, por exemplo, “quando escrever se torna difícil vale a pena reler as próprias obras para recordar que sempre foi árduo escrevê-las.”.
 
3. James Joyce
 
Irlandês, James Joyce foi um escritor complexo cuja profundidade trouxe importantes renovações na literatura universal. O início da carreira de García Márquez foi marcado por comentários sobre os traços joyceanos presentes em seus contos. O romance Ulisses (1922), obra que narra 19 horas de um dia na vida de Leopold Bloom, foi marcante na história de Gabo. Sobre ela, o escritor declara: “li aos bocados e aos tropeços até que a paciência não me chegou para mais. Foi uma temeridade prematura. Anos mais tarde, já adulto domesticado, entreguei-me à tarefa de relê-lo a sério e não só foi a descoberta do mundo próprio de que nunca suspeitei dentro de mim, como também uma ajuda técnica inapreciável para a liberdade da linguagem, o manejo do tempo e as estruturas dos meus livros.”.

4. Virginia Woolf
 
A britânica Adeline Virginia Woolf escreveu obras hoje consideradas clássicos do romance moderno. To the lighthouse (1927) foi considerada pela crítica sua obra-prima, embora Orlando (1928), obra que leva no título o nome da protagonista, é tida como sua principal personagem literária. Em Woolf, Gabriel encontrou inspiração na técnica do monólogo interior que, segundo ele, ela manipulava como ninguém. Sobre a prática, muito utilizada por James Joyce, ele explica que “mais tarde, a descobri também em Virgínia Woolf, e de fato gosto mais como ela manipula a narrativa que o próprio Joyce.”. Essa referência foi predominante no primeiro romance de García Márquez, A revoada, de 1955.

O 5º nome é também a autora do livro de dezembro do clube.
 
O próximo livro surpresa do clube é de autoria de uma das escritoras favoritas de García Márquez. A autora, ainda pouco conhecida no Brasil, é uma catalã que percorreu diversos gêneros, como o conto, o teatro, a poesia e o romance - esse último considerado seu maior êxito literário. “Poucas pessoas sabem, fora da Catalunha, quem foi essa mulher invisível que escrevia em um catalão esplêndido uns romances lindos e consistentes como não se encontram muitos nas letras atuais [...]. Seus livros permitem vislumbrar uma sensibilidade quase excessiva e um amor pela sua gente e pela vida de sua vizinhança que talvez seja o que dá um alcance universal a seus romances”.

Fonte e créditos aqui 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017


Versículos do dia

Quando, pois, vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram: Porventura não consultará o povo a seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-á aos mortos? Isaías 8:19

Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Mateus 6:24

Psseata de protesto contra a ceia de Natal

Frase

O tempo não é uma medida. Um ano não conta, dez anos não representam nada. Ser artista não significa contar, é crescer como a árvore que não apressa a sua seiva e resiste, serena, aos grandes ventos da primavera, sem temer que o verão possa não vir. O verão há de vir. Mas só vem para aqueles que sabem esperar, tão sossegados como se tivessem na frente a eternidade.

Rainer Maria Rilke

domingo, 10 de dezembro de 2017

"A ciência meu rapaz é feita de erros, mas de erros benéficos, já que conduzem pouco a pouco à verdade. 

Júlio Verne